O nosso dente tem raízes fixadas nos ossos, e esses ossos podem diminuir em espessura e altura. Processo conhecido como perda óssea dentária. Isso pode acontecer por diversos motivos, como:

– O uso de diferentes tipos de dentaduras;

– As lesões e fraturas por trauma ou acidentes;

– A falta de osso na região maxilar; e

– A perda de dentes.

Quando ocorre essa perda óssea dos dentes, o tratamento indicado é o enxerto ósseo dentário, que é um procedimento que visa ao aumento da altura ou da espessura do osso no local em que será feita a cirurgia de enxerto ósseo, permitindo a instalação de implantes dentários.

O osso usado para preencher a perda óssea dentária pode ser o do próprio paciente e é conhecido como enxerto autógeno. Funciona assim: um pouco de osso, em forma de bloco ou triturado, é retirado da boca (mas não se preocupe, é pouco e não vai fazer falta, pois o profissional analisa bem antes de escolher o local de retirada) e esse osso é recolocado onde houve a perda óssea.

Caso não seja possível utilizar o enxerto autógeno, há biomateriaismuito bem recomendados nesse tipo de procedimento. Há várias marcas disponíveis no mercado, mas trata-se de uma escolha muito delicada, pois esse biomaterial será parte de você.

Na maioria das vezes, os implantes dentários só poderão ser instalados após o período de cicatrização óssea, que leva de 6 a 12 meses após o enxerto ósseo. Em alguns casos, é possível fazer a instalação dos implantes logo após o enxerto, diminuindo, assim, o número de procedimentos cirúrgicos.